segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Fado não é nome pra poesia


O nome poderia ser um fado
Mas fado não é tão alegre assim
Ou então me faça um fado nada coerente,
Invente, coloque o seu nome, um pronome,
Um caos de viver assim, feito louco,
Sem certeza de chorar
Quando de fato for fado
E aí, quem sabe, o nome faça sentido,
E cada lágrima justificará a vida
E tudo será apenas um nome
Nada demais.
Um fado sem nada, Fado,
Cacos de um dia qualquer, escorrendo no ralo do banheiro,
Ou privada a dentro.
E assim, Querida, Querido, a vida será
Fado, Samba, Punk, será uma boa Risada de amigos,
Amantes e alguns metidos no caminho,
Cuidado, a vida não é frágil
E Fado não é nome pra poesia,
É nome para uma das fantasias de viver!

Paulo Antonio

3 comentários:

  1. Podem contar com a minha presença sempre por aqui. Este espacinho poético só tende a crescer, sendo construído por vocês. :)

    ResponderExcluir
  2. Oi, to aqui tb marcando presença!

    ResponderExcluir